Bares ocupam os rooftops de SP

WhatsApp
35

por Pedro Marques*

Da rua, a vista que a cidade de São Paulo oferece muitas vezes está longe de ser das mais bonitas. Carros presos em congestionamento, um mundaréu de gente indo e vindo, correria. Do alto, porém, tudo se transforma – a cidade vira um mar de prédios e luzes e a pressa do dia a dia dá lugar a uma certa sensação de calma. E é nessa vista que três novos bares estão servindo seus coquetéis e petiscos. Seen, Sky Hall e Tetto se juntam a endereços clássicos da capital paulista, como o Terraço Itália e o Skye, bar e restaurante do hotel Unique.

Os novatos, porém, buscam inspiração em outros panoramas: para ser mais preciso, nos skylines de Nova York, Paris, Londres e Lisboa. “Faltava um conceito forte de bar e restaurante em rooftops. Há uma carência e uma oportunidade que traz essa onda”, avalia Miguel Garcia, diretor geral do Tivoli Mofarrej, onde está instalado o Seen (antes ocupado pelo Arola 23). “Acho que São Paulo precisava de um lugar assim. A vista mais bonita é a de cima, dá para sentir melhor o ambiente da cidade, que é cosmopolita, tem prédios muitos altos”, afirma Olivier da Costa, chef português que tem sete restaurantes e assina o conceito do Seen.

O rumbullion, do bartender Heitor Marin

“Esse é um movimento muito forte que percebi em cidades como Londres, Milão e São Petersburgo”, acrescenta Eduardo D’Aguano, do Sky Hall, localizado no topo de um edifício na avenida Juscelino Kubitschek, uma das mais movimentadas da cidade. “O pessoal mais jovem gosta muito dessa coisa de tomar uma bebida a céu aberto. Temos uma área coberta, mas o pessoal gosta mesmo é de ficar do lado de fora”, conta D’Aguano. Renato Kolanian Gouveia, um dos sócios do Tetto, bar localizado no terraço do WZ Hotel, na avenida Rebouças, também acredita que São Paulo estava ficando para trás no conceito de rooftops. “Fizemos um lugar que achávamos que faltava, uma experiência mais animada, onde é possível tomar um drinque caprichado e reunir os amigos”, diz ele.

O seenviche, do chef Olivier da Costa

Dentro do pacote “rooftop”, vem o investimento em alta coquetelaria e um cardápio com petiscos mais elaborados. O Seen, por exemplo, contratou o bartender Heitor Marin (ex-Ici Bistrô e Tête à Tête), que prepara drinques como o daruma (saquê, gengibre, mirtilo, licor marasquino, grappa e bitter artesanal de coentro, R$ 29**). Quem prepara as receitas assinadas por Olivier da Costa é o chef William Ribeiro (ex-Bossa) – para petiscar, carpaccios de pupunha, polvo e angus (R$ 36, R$ 42 e R$ 40, na ordem) e ceviche (R$ 45).

No Sky Hall, quem cuida da carta de drinques é o barman Renan Tarantino, que recentemente esteve nos balcões do Nakka Jardins e do Sub Astor. Ele prepara coquetéis clássicos como o negroni (gim, mix de vermutes, Campari e bitter de chocolate) e bebidas mais autorais, como o all green (gim, manjericão, capim-limão e matcha, R$ 32). A cozinha é comandada por Martin Casilli, ex-participante do reality MasterChef, e serve porções para dividir como o camembert assado com mel e páprica e linguiça de Bragança com pão artesanal (R$ 51).

No salão do Sky Hall são serveidos drinques como o negroni e petiscos como o camembert assado com abacaxi (abaixo)

O Tetto, por sua vez, tem 12 drinques desenvolvidos pelo premiado bartender Jean Ponce (atualmente no Guarita) e executados pelo barman Tom Oliveira – entre eles o edmond halley (bourbon, vermute tinto, Cynar e Brasilberg, R$ 41). Julien Mercier, chef francês radicado no Brasil (ex-Le Bilboquet), assina o cardápio, que tem várias opções para compartilhar, como o tartar de atum com guacamole e wasabi (R$ 51).

O clássico negroni é uma das pedidas do Sky Hall

Os cardápios voltados para os drinques e porções têm razão de ser: o objetivo é criar um clima de “quase balada”, que também combina música e outras atrações para o público. “Pode ter um DJ bacana tocando, mas não queremos ninguém dançando em cima da mesa”, brinca Miguel Garcia, do Tivoli. A fórmula, dizem os responsáveis, tem dado certo. Segundo Edson D’Aguano, cerca de 700 pessoas foram conferir a primeira sunset party do Sky Hall, realizada em um domingo. Seen e Tetto também comemoram os resultados.

Seen
alameda Santos, 1.437, 23o andar,
Hotel Tivoli Mofarrej – Cerqueira César
(11) 3146-5923 – São Paulo – SP
seensp.com

Sky Hall
avenida Pres. Juscelino Kubitschek, 1.327
Vila Nova Conceição
(11) 2828-9740 – São Paulo – SP
facebook.com/skyhall.sp

Tetto Rooftop Lounge
avenida Rebouças, 955, WZ Hotel
Cerqueira César – São Paulo – SP
tettolounge.com

 

* Reportagem publicada na edição 219 (julho/2017) 

** Os preços podem ter sofrido alterações 

The post Bares ocupam os rooftops de SP appeared first on Revista Menu.

REVISTA MENU

35 Comentários

Deixe uma resposta

WhatsApp
6
Adriano Kanashiro volta ao Brasil e faz jantar no Loup

Por Beatriz Marques O chef Adriano Kanashiro é velho conhecido dos paulistanos. Sua trajetória de sucesso na cozinha japonesa inclui os restaurantes Kinu (dentro do hotel Hyatt São Paulo) e Momotaro, na Vila Nova Conceição, sua última casa antes de sair do País. Desde 2015, Kanashiro é chef executivo do …

WhatsApp
1
São Paulo recebe 20 chefs italianos para festival

Por Beatriz Marques Já virou tradição. Entre 22 e 28 de outubro, a capital paulista recebe pela sétima vez a Settimana della Cucina Regionale Italiana, evento que traz cozinheiros diretamente do País da Bota para comandar restaurantes italianos daqui. Cada um dos 20 convidados representa uma região do país e …

WhatsApp
9
O Ibravin se posiciona contra alta de impostos para vinhos importados

Por Suzana Barelli O deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen (PP-RS) apresentou, na terça-feira (16), projeto de lei na Câmara dos Deputados que aumenta em 40% o imposto de importação dos vinhos. Mas desta vez a notícia de aumento de impostos dos vinhos importados não foi bem recebida por muitos dos …